A Carreira

Escrito por Artur Castro

1985

Competiu pela primeira vez no final deste ano, na sua cidade natal, Petrópolis, obtendo a 2ª colocação entre tantos participantes.

1986

Participou de 24 competições, com bons resultados por toda região sudeste do Brasil, obtendo 8 vitórias.

1987

Após 34 competições no sudeste e sul do Brasil, surgiu o primeiro patrocinador, CME Concórdia da cidade de Concórdia em Santa Catarina, onde competiu pela equipe por todo o ano:

Venceu 23 competições.

Venceu todas as provas no estado de Santa Catarina.

Medalha de bronze, estreando no Troféu Brasil de Atletismo, ao final do ano.

2º lugar na Meia Maratona da Independência, projetando-se para o sucesso maior no dia 31 de dezembro.

8º lugar na São Silvestre.

1988

Com novo patrocinador (ADC Eletropaulo) de São Paulo, que perdurou por 7 anos. Aumentou para 50 o número de competições ao ano, obtendo 19 vitórias. Surgiram as primeiras viagens internacionais, onde percebeu que ainda tinha muito a percorrer para tornar-se um dos melhores do mundo. Destacou-se sendo:

Classificou para o Mundial de Cross Country na Nova Zelândia.

2º lugar no Troféu Brasil de Atletismo.

Vencedor do 1º Campeonato Brasileiro de Corrida de Rua (8 etapas).

4º lugar na São Silvestre.

1989

47 competições no total, venceu 14, obtendo outros bons resultados em competições também de alto nível, no Brasil e no exterior, entre elas:

29º lugar na Classificatória para o Mundial de Cross Country na Noruega, melhor colocação até então de um brasileiro.

2º lugar na Scarpa D'Óro (Vigevano-Itália), a 7 segundos do queniano John Ngugi (Campeão Mundial de Cross Country)

3º lugar na18ª Stramilano (Milão-Itália), que proporcionou o convite do Sr. Gioggio Rondelli (conceituado treinador da Itália e do atletismo mundial).

Foi então que aceitando o convite se transferiu para Milão em maio onde superou em pista, os 3.000 m (7m59s80), 5.000 m (13m46s12d) e 10.000 m (29m00s10d). Não bastando venceu algumas provas de rua que fez por lá.

No Brasil:

Venceu o Troféu Brasil de Atletismo.

2º lugar no Campeonato Brasileiro de Rua, ao final do ano.

1990

No total de 50 competições, venceu 17.

Um ano onde destacou-se novamente, classificando-se no Brasil para o Mundial de Cross Country na França, na cidade Ait-Le-Bains.

Posteriormente iniciou uma temporada na Itália onde participou de 6 competições fortes, obtendo excelentes resultados, inclusive o 1º lugar na VI Maratona Della Pasqueta (Gualtieri-Itália).

De volta ao Brasil, competiu em diversas provas de rua e de pista, destacando-se como bicampeão no Campeonato Brasileiro de Corrida de Rua (6 etapas) e 9º colocado na São Silvestre.

1991

45 competições, vencendo 11.

Classificou-se no Brasil para o Mundial de Cross Country, sendo campeão brasileiro e de novo o melhor brasileiro no mesmo.

Retornando a Itália competiu em várias provas obtendo bons resultados, como:

2º lugar na Maratonina Della Pasquesta.

3º lugar na 20ª Stramilano (Milão-Itália), com 1h01m27s, novo recorde brasileiro e sul-americano para distância de 21.097m.

28m50s21d no Meeting di Formia para 10.000 m em pista, superando-se ao baixar seu próprio tempo.

1992

25 competições, vencendo 7 delas.

Ano difícil, devido a uma contusão séria no tendão de Aquiles da perna direita, começando efetivamente em maio.

No Brasil, classificado para o primeiro Mundial da Meia Maratona no dia 16 de Agosto, em Vitória - ES, onde ao vencer com o tempo de 1h01m44s, consagrou-se "Campeão Brasileiro de Meia Maratona".

Na Itália, competindo pela equipe Sangiovannense de San Giovanni - AR, participou da famosa Franciacorta, com um total de 50 milhas dividido em 5 etapas, onde obteve a 3ª colocação geral, chegando atrás de dois quenianos, Moses Tanui e Andrew Massai. Obteve a 8ª colocação entre os melhores do mundo na distância 21.097 m, a melhor classificação brasileira em um mundial nas provas de fundo e recorde brasileiro para distância, recebendo o bronze por equipe no Mundial de Meia Maratona em Tyneside, na Inglaterra, no dia 20 de Setembro, a primeira medalha por equipe das provas de fundo do Brasil. Na Maratona Di Carpi obteve a 3ª colocação com tempo de 2h12m52s para os 42.195m.

Retornando ao Brasil, fechou o ano na São Silvestre subindo no pódio pela segunda vez em 5º lugar.

1993

31 competições durante todo o ano, vencendo 11 delas.

No início do ano foi "bicampeão brasileiro de Cross Country" em São Paulo.

Competindo na Itália, trocou de patrocinador, indo para Kway Athletic Team do Dr.Gabriele Rosa. A temporada (7 meses) realmente foi muito satisfatória, pois superou em pista os 5.000 m com 13m40s88 e 10.000 m com 28m43s18, onde teve ajuda dos companheiros Luca Barzagui e Danilo Guidide, este o fiel companheiro dos nossos treinos.

Também foi marcada pela vitória na famosa Franciacorta, corrida em 5 etapas, realizada no norte da Itália, chegando na frente de grandes atletas como: Andrew Massai (Quênia), Salvatore Bettiol (Itália), Luca Barzagui (Itália) e tantos outros, venceu outras duas provas importantes, primeiro a 8ª Maratonina Del Garda em Garnegnano com tempo de 1h02m32s (21.097m) e a segunda e mais importante maratona italiana, a Maratona de Veneza, onde não só venceu como também baixou o recorde da prova em 3m18s com o tempo de 2h10m06s, sendo no final do ano no ranking mundial 10º melhor tempo do mundo, fechando o ano com muita expectativa.

1994

25 competições, venceu 3, obtendo vários outros bons resultados.

No Brasil, em Manaus, no Campeonato Brasileiro e Sul-americano de Cross Country consagrou-se tricampeão brasileiro e classificou-se para o Mundial da Hungria em março, onde novamente foi o melhor brasileiro por equipe.

Na Inglaterra, foi 15º colocado com o tempo de 2h12m44s na Maratona de Londres (42.195 m) em 17 de abril.

Na Itália, participou de várias outras provas obtendo boas classificações, entre elas na Franciacorta, corrida por etapas onde obteve a 3ª colocação geral.

No Brasil, venceu a Meia Maratona da Rede Ferroviária em Juiz de Fora, fechando o ano.

1995

18 competições em todo o ano.

Apesar de alguns problemas, foi convocado para o Pan-americano, para correr a maratona.

No Brasil, obteve alguns bons resultados como: 3º lugar na Corrida Primavera-Verão (Petrópolis-Itaipava), classificou-se para o Ekiden em Chiba no Japão, prova por equipe. Em São Paulo foi 5º lugar na Meia Maratona da Independência, 2º lugar na Corrida Rústica de Aparecida em Aparecida e 4º lugar na famosa Gonzaguinha, correndo os 15 km em 44m42s, fechando o ano.

1996

7 competições.

Foi marcado por poucas provas e várias cirurgias, perdendo assim vários meses de treino.

No Brasil destacou-se na classificação para o Mundial de Cross Country, chegando em 3º lugar e segundo brasileiro.

No Japão, foi 18º colocado com o tempo de 2h15m19s na Maratona em Oitsu, obtendo índice para a Olimpíada de Atlanta.

1997

14 competições.

Também foi marcado por poucas provas e algumas cirurgias.

Destacou-se com o 2º lugar na Corrida Volta da Lagoa no Rio de Janeiro.

1998

Totalizando 370 competições realizadas ao longo de 12 anos de carreira com 115 vitórias e bons resultados, Artur finalizou sua carreira e se dedica atualmente na Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro como vice presidente.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar