Mulheres Podem e Devem Correr

Categoria: Colunistas Publicado: Terça, 04 Março 2014 Escrito por Luiz Carlos Moraes

Dia desses ouvi mais um desses absurdos que vez por outra “rola” na Internet em artigos e/ou comentários de “supostos” entendidos. Tratava-se de um indivíduo dizendo que sua mulher, profissional de saúde, ao participar de um simpósio ouviu de um palestrante a afirmação que a corrida é prejudicial à mulher e deveria apenas caminhar.

 

Sem saber quais sejam os álibis apresentados e tão pouco saber quem fez tal afirmação de antemão contesto. Correr é um dos movimentos mais naturais do ser humano que segundo a ciência foi, por assim dizer, projetado sim para correr tendo ao longo dos anos desenvolvido tendões e ligamentos elásticos, crânio capaz de prevenir superaquecimento, glúteos maiores, antebraços mais curto e pernas mais longas para estabilizar o movimento rápido evoluído a partir do Australopithecus que corria para caçar e/ou fugir dos predadores, pois não subiam em árvores com facilidade como os macacos que têm mãos e braços maiores e quase nenhum glúteo. As mulheres também foram feitas sim para correr e nas provas de longa distância levam vantagem em relação aos homens.

A maior camada lipídica fornece mais energia para elas e por mais tempo, os fêmures convergentes por conta da bacia mais larga contribuem para manter mais equilibrado o gesto esportivo e a temperatura corporal se mantém mais estável que a dos homens. Estatisticamente as mulheres na corrida têm menos lesões que os homens. Como explicar a rápida evolução das mulheres nas corridas tanto no desempenho individual como em número crescente de participantes? É o principal motivo que incentivou organizadores a promoverem corridas exclusivamente femininas atraindo patrocinadores e fabricantes de produtos esportivos na certeza de retorno imediato. Dados de uma das maiores associações de corredores de rua do país confirmam que a partir de 2003 houve um crescimento de 65% no número de mulheres participando de provas de até 5 km. Acima dos 10 km esse número cai para 35% ainda assim crescente. Não é difícil comprovar isso também aqui em Petrópolis. As mulheres invadiram as pistas e são muito bem vindas. Em síntese. À luz da ciência não existe nenhuma razão para condenar a corrida para as mulheres a não ser por razões patológicas que impeçam a prática como para qualquer um seja homem ou mulher. Proferir palestra em simpósio não basta ter título. Precisa bom senso e experiência prática.

MUSCULAÇÃO TAMBÉM É PARA ELAS – Também não é nenhuma novidade que as mulheres invadiram as academias e são muito bem vindas. O principal álibi para se recomendar treinamento de força para as mulheres é a manutenção da força física tão importante para as atividades funcionais. Além disso, o modelo feminino estético mais explorado na mídia ainda é o venusiano da mulher formosa, com músculos discretos. O perfil das academias por causa delas mudou. Para melhor.

Luiz Carlos de Moraes
Profissional de Educação Física

Acessos: 1309

Comentários   

+1 #2 Prof. Moraes 05-03-2014 19:33
Está na pauta. Em breve falarei sobre isso.
Citar
0 #1 Marcelo Paiva 05-03-2014 14:00
Olá Moraes,

Outro coisa que impede as mulheres de participar ativamente nas corridas, além destas opiniões que nos deu a conhecer, é a questão da que a maioria não quer ter varizes, creio que é um assunto que você poderia expor a sua opinião, o que você acha?
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar